Gibis podem ser aliados das crianças na construção da leitura

 

A personagem mais popular das histórias em quadrinhos, em nosso país, vai completar 50 anos. Várias gerações a

acompanharam e presenciaram suas mudanças: sua aparência é outra, transformou-se em uma bela mulher e se

casou. Com aquele garoto dos cabelos espetados, que passou a infância tentando roubar seu coelho azul.

Com certeza eles dispensam apresentações. Mônica, Cebolinha, Sansão e toda a turminha são conhecidos da maioria

das pessoas. Até dos sexagenários, que na época de seu lançamento já tinham seus 10 anos. Fãs não faltam.

Assim como as críticas. Para muitos a Mônica não passa de uma feminista, outros torcem o nariz para os produtos

associados aos personagens. Sem contar os que não conseguem enxergar nada em suas histórias que possa

contribuir para a formação dos pequenos.

Assim como qualquer tipo de literatura, os quadrinhos passam uma visão de mundo e valores. Não é diferente com

os dessa turma. No entanto, eles também trazem conflitos humanos e personagens com as mais diferentes características.

O livro “Fadas no divã: psicanálise nas histórias infantis”, de Diana Lichtenstein Corso e Mário Corso (Artmed, 2005),

aponta algumas características nem sempre vistas, como a questão infantil da inserção no grupo e saída da família, ou

mesmo a fobia encontrada no personagem Cascão, que morre de medo da água.

Outras críticas recebidas pelas HQs se referem ao seu valor literário. Geralmente são consideradas de baixa qualidade,

sendo desnecessário as crianças lerem, pois não seria nada mais que um passatempo. No entanto, seu formato alia texto

e imagem, como os livros ilustrados, facilitando o trabalho do leitor principiante, assim como sua linguagem mais ágil.

Algumas histórias sem texto estimulam o desenvolvimento da linguagem quando a criança é solicitada a contá-la com suas

palavras. Elas podem ser uma ferramenta importante no processo de construção da leitura pelos pequenos.

Isso deveria ser mais explorado pelas escolas, sobretudo nos anos iniciais do ensino fundamental. Muitas vezes, os alunos

são obrigados a trabalhar com textos desinteressantes para a idade, como os jornalísticos (as escolas adoram pedir-lhes

que leiam notícias de jornal já no primeiro ano).

Nessa época, mais que refinar o interesse e a experiência, é necessário cultivar o gosto pela leitura. Os gibis costumam fazer

isso. Conheço adultos que leem muito, inclusive livros considerados cultos, e que começaram lendo esse tipo de publicação.

Inclusive, já existem versões dos gibis da Turma da Mônica em inglês e espanhol, algo que poderia ser aproveitado por essa

disciplinas na escola.

Parabéns à Mônica pelos 50 anos e a toda a turminha. Obrigada pelas histórias e aventuras. A torcida é para que continuem

alegrando as crianças por muitos e muitos anos.

fonte:

http://g1.globo.com/platb/dicas-para-pais-e-filhos/2013/02/28/gibis-podem-ser-aliados-das-criancas-na-construcao-da-leitura/